Histórias do Mineirão: A festa da inauguração do Gigante da Pampulha – 4

Mineirão foi logo saudado pelos torcedores mineiros, com entusiasmo, como a nova casa do futebol. Durante 10 dias, vários jogos foram realizados, sempre com grande público. A primeira partida oficial foi da Seleção Mineira contra o River Plate, da Argentina. Veja como foi e acompanhe os momentos iniciais do estádio nessa série que estamos publicando.

A partida principal

Gol de Buglê contra o River

Gol de Buglê contra o River

“Depois de seis horas de múltiplas atividades, o espetáculo que marcaria a ‘estreia’ do estádio como palco de futebol, finalmente entra em campo. A Seleção Mineira e o River Plate, da Argentina, encerram o dia festivo com um confronto acirrado. Em disputa o registro histórico de se tornar a equipe dona da primeira vitória do Mineirão. Os argentinos criaram chances, mas logo aos dois minutos do segundo tempo, Buglê driblou um adversário, aproveitou a indecisão do goleiro Gatti e tocou para as redes. Os mineiros venceram pelo placar mínimo. Muito mais do que uma vitória, o espetáculo era a garantia de o futebol mineiro estar pronto para alcançar a evolução técnica e profissional. O gol, o primeiro da nova arena, rendera a Buglê uma placa no hall de entrada e a imortalidade na história do futebol.”

Extraído do livro ˜Mineirão 40 Anos – Paixão e Emoção”, de autoria de Wagner Seixas, Alexandre Simões e Carlos Henrique Ribeiro – 2005

Anúncios

Histórias do Mineirão: A festa da inauguração do Gigante da Pampulha – 3

Mineirão foi logo saudado pelos torcedores mineiros, com entusiasmo, como a nova casa do futebol. Durante 10 dias, vários jogos foram realizados, sempre com grande público. No primeiro dia, além de do jogo inaugural, houve várias outras atrações. Acompanhe os momentos iniciais do estádio nessa série.

Simulação do Novo Mineirão

Novo Mineirão terá mais conforto e segurança

Desfiles, preliminar e pira olímpica

“A multidão acompanhava eufórica cada movimento na pista. Desfile de colegiais, cães amestrados, bandas de música, pouso de helicópteros, pára-quedistas e estrepulias da Esquadrilha da Fumaça. O novo estádio resultara num sentimento nativista mineiro que redundara em seguidos coros de 80 mil vozes, entiando ‘Oh, Minas Gerais’. Um time misto do América enfrentou o Uberaba na preliminar e serviu de aquecimento da torcida. A equipe americana venceu por 5 a 2 e os sete gols foram comemorados como se tivessem a importância de uma conquista de título. Tudo era motivo para festejar.

Quando o capitão da Seleção Brasileira campeã do Mundial de 1962, Hideraldo Luiz Belini, entrou em campo, acendeu a pira olímpica, seguida de uma revoada de pombos, o Mineirão entrou em exultação.”

Extraído do livro ˜Mineirão 40 Anos – Paixão e Emoção”, de autoria de Wagner Seixas, Alexandre Simões e Carlos Henrique Ribeiro – 2005

Histórias do Mineirão: A festa da inauguração do Gigante da Pampulha – 2

O Mineirão foi logo saudado pelos torcedores mineiros, com entusiasmo, como a nova casa do futebol. Durante 10 dias, vários jogos foram realizados, sempre com grande público. Saiba quem foi o primeiro a entrar no Gigante da Pampulha e acompanhe os momentos iniciais do estádio nessa série.

Foto aérea das obras no Mineirão para a Copa 2014

Mineirão terá nova festa com a reinauguração (Foto: Gil Leonardi)

Jogo inaugural com 80 mil pessoas

“No entorno da nova arena, milhares de pessoas formavam filas para entrar. Muitas haviam madrugado no frio da Pampulha para conseguir um bom lugar na arquibancada. Havia lama, restos de obras e muita confusão. Porém, o olhar de cada torcedor era de assombro frente àquele gigante de concreto. O primeiro ingresso é rasgado na portaria para Antônio Gomes da Silva, residente no Bairro Industrial. Ele tem o privilégio de ser o primeiro torcedor a colocar os pés no Mineirão, segundo registro do extinto jornal Diário de Minas.

Em pouco mais de uma hora, o estádio já acolhia quase 80 mil pessoas. Todas estavam maravilhadas e observavam cada detalhe da arena. ‘Pareciam crianças diante de um brinquedo novo’, descrevia o repórter Ronan Ramos, então um iniciante na Rádio Itatiaia.”

Extraído do livro ˜Mineirão 40 Anos – Paixão e Emoção”, de autoria de Wagner Seixas, Alexandre Simões e Carlos Henrique Ribeiro – 2005